Seguidores

sábado, 26 de novembro de 2011

Quando faz frio no coração

Todo nosso eu é construído do emocional.

E a soma dos acontecimentos,

o tamanho deles,

a forma ou o momento em que

chegam criam barreiras entre

nós e os outros,

às vezes nós e o mundo.



Quando faz frio no coração,

nós nos afastamos

de tudo aquilo que poderá tocá-lo.

Criamos um muro invisível

para protegê-lo e proteger-nos,

duvidamos das pessoas,

da sinceridade delas,

das suas boas intenções.



Esses invernos rigorosos

da vida fazem com que nos

sintamos mais sós,

nos esquecemos de olhar um

pouco para fora e olhamos

muito para dentro.



E quando mais pensamos nas

nossas tristezas,

mais tristes nos sentimos,

o que cria esse círculo vicioso do

qual é difícil se livrar.



E quando esses períodos

de festas se aproximam em

que todos falam tanto de amor,

solidariedade,

perdão e compreensão,

o que possuem o coração apertado

o sentem mais pequenininho ainda.



Uma maneira de reverter essa situação,

é oferecer o que precisamos.

Mudando nossa mentalidade,

mudamos o mundo.

Para abrir o coração das pessoas,

precisamos abrir o nosso.



São nossas mãos que devem

derrubar as primeiras barreiras

que nos separam

das pessoas e da vida.



É a luz que possuímos que

deve ser a primeira a nos aquecer, 

a iluminar nossos passos,

ninguém pode ver por nós,

caminhar por nós e menos

ainda sentir por nós.



Quando fazemos pelos outros,

estamos concentrando

nossas energias em algo externo

a nós e quando pensamos

menos na carga que carregamos,

ela parece mais leve,

mais suportável.



Quando faz frio no nosso coração,

devemos agasalhá-lo para que

ele passe melhor pelo inverno,

que passará,

como passam todas as outras estações.



Aquele que aprende a plantar uma flor,

planta muito mais que uma flor,

ele faz nascer a esperança no mundo.


MUITA PAZ!



TEXTO: Letícia Thompson

sábado, 19 de novembro de 2011

Os Pais Envelhecem



Talvez a mais rica, forte e profunda experiência da caminhada humana seja a de ter um filho. Ser pai ou ser mãe é provar os limites que constituem o sal e o mel do ato de amar alguém. Quando nascem, os filhos comovem por sua fragilidade, seus imensos olhos, sua inocência e graça. Eles chegam à nossa vida com promessas de amor incondicional. Dependem de nosso amor, dos cuidados que temos. E retribuem com gestos que enternecem. Mas os anos passam e os filhos crescem. Escolhem seus próprios caminhos, parceiros e profissões. Trilham novos rumos, afastam-se da matriz. O tempo se encarrega da formação de novas famílias. Os netos nascem. ENVELHECEMOS! E então algo começa a mudar. Os filhos já não têm pelos pais aquela atitude de antes. Parece que agora só os ouvem para fazerem críticas, reclamarem e apontarem-lhe falhas. Já não brilha mais nos olhos deles aquela admiração da infância. E isso é uma dor imensa para os pais. Por mais que disfarcem,todo pai e mãe percebe as mínimas faíscas no olho de um filho. Apenas passaram-se alguns anos e parece que foram esquecidos,os cuidados e a sabedoria que antes era referência para tudo na vida. Aos poucos, a atitude dos filhos se torna cada vez mais impertinente. Praticamente não ouvem mais os conselhos. A cada dia demonstram mais impaciência. Acham que os pais têm opiniões superadas, antigas. Pior é quando implicam com as manias, os hábitos antigos, as velhas músicas. E tentam fazer os velhos pais adaptarem-se aos novos tempos, aos novos costumes. Quanto mais envelhecem os pais, mais os filhos assumem o controle. Quando eles estão bem idosos, já não decidem o que querem fazer ou o que desejam comer e beber. Raramente são ouvidos quando tentam fazer algo diferente. Passeios, comida, roupas, médicos, tudo, passa a ser decidido pelos filhos. E, no entanto, os pais estão apenas idosos. Mas continuam em plena posse da mente. Por que então desrespeitá-los? Por que tratá-los como se fossem inúteis ou crianças sem discernimento? E, no entanto, no fundo daqueles olhos cercados de rugas, há tanto amor. Naquelas mãos trêmulas, há sempre um gesto que abençoa e acaricia. A cada dia que nasce, lembre-se, está mais perto o dia da separação. Um dia, o velho pai já não estará aqui. O cheiro familiar da mãe estará ausente. As roupas favoritas para sempre dobradas sobre a cama, os chinelos em um canto qualquer da casa. Então, valorize o tempo de agora com os pais idosos. Paciência com eles quando se recusam a tomar os remédios, quando falam interminavelmente sobre doenças, quando se queixam de tudo. Abrace-os apenas, enxugue as lágrimas deles, ouça as histórias, mesmo que sejam repetidas, e dê-lhes atenção, afeto... Acredite: Dentro daquele velho coração brotarão todas as flores da esperança e da alegria.
(Texto: do Momento Espírita)

video





sábado, 12 de novembro de 2011

Apaixone-se!






Apaixone-se definitivamente pelo seu sonho; o sonho de ninguém deve ser mais apaixonante que o seu!
Apaixone-se pelo seu talento, mesmo que seu senso crítico insista para você escolher realizar outras coisas... 
Apaixone-se mais pela viagem do que pela chegada ao seu destino! 
Apaixone-se pelo seu corpo - mesmo que ele esteja fora de forma, pois de "qualquer forma" ele é a única casa que você possui. 
Desapaixone-se de seus medos... Eles minam sua alegria de viver. 
Apaixone-se pelas suas memórias mais deliciosas; ninguém pode tirá-las de dentro de você e elas são excelentes fontes de inspiração em momentos de dor.
Apaixone-se por aquelas besteiras saudáveis que passam por sua mente entre um e outro momento de estresse; eles ajudam a sobreviver. 
Apaixone-se pelo sol; ele é fiel, gratuito, absolutamente disponível e dá prazer. 
Apaixone-se por alguém; não espere alguém se apaixonar antes por você, só por garantia e segurança. 
Apaixone-se pelo seu projeto de vida; acredite, não dá certo fazer isto a dois. 
Apaixone-se pela dança da vida que está sempre em movimento dentro da gente, mas que, por defesa nós teimamos em algemar. 
Apaixone-se mais pelo significado das coisas que você conquistar do que pelo seu valor material. 
Apaixone-se por suas ideias, mesmo que tenham dito que elas não serviam pra nada. 
Apaixone-se por seus pontos fortes, mesmo que os pontos fracos insistam em ficar em alto relevo no seu cérebro. 
Apaixone-se pela ideia de ser verdadeiramente feliz! 
Felicidade encontra-se de sobra nas prateleiras de seus recursos interiores. 
Apaixone-se pela música que você pode ser para alguém... 
Apaixone-se por ser humano! 
Apaixone-se definitivamente por você! 
Apaixone-se rápido! 
O poder de decisão só pertence a você!
(A.D)

Cenas do filme " A casa do lago"
Apaixone-se - Lindo video 


sábado, 5 de novembro de 2011

Amigos são flores



Amigos são flores plantadas ao longo do nosso caminho para que saibamos encontrar primavera o ano todo.
E quando o outono chega cheio de beleza e melancolia, os amigos estão presentes nos trazendo alegria; e quando o inverno vem frio e escuro, trazendo saudades e noites longas, os amigos nos trazem calor e luz com o brilho da sua presença.
 E essas flores belas perfumam nossa existência e tomamos consciência de que não estamos sozinhos.
Se amigos são flores que duram um ano ou um dia não faz diferenca, porque o importante são as marcas que deixam nas nossas vidas.
As horas compartilhadas, horas de carinho, amor e cuidado. Um amigo que se doa sem querer saber se vai ter um retorno, que se entrega pelo prazer de ver a felicidade do outro é uma flor rara que merece cuidados especiais, um ser grande e importante que nos da vontade de chorar só pelo fato de saber que ele existe.
 É alguém que consegue chegar até nossa alma.. é um presente de Deus.
Se todo o mundo nos virar as costas e no meio desse mundo uma flor, nem que seja uma única flor assim nascer no nosso jardim, então toda a vida já terá valido a pena.

Letícia Thompson

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Chapéu Violeta



3 ANOS:
ELA OLHA PRA SI MESMA E VÊ UMA RAINHA.

AOS 8 ANOS:
ELA OLHA PRA SI E VÊ CINDERELA.

AOS 15 ANOS:
ELA OLHA E VÊ UMA FREIRA HORROROSA.

AOS 20 ANOS:
ELA OLHA E SE VÊ MUITO GORDA, MUITO MAGRA, MUITO ALTA, MUITO BAIXA, MUITO LISO,  MUITO ENCARACOLADO, DECIDE SAIR MAS… VAI SOFRENDO…

AOS 30 :
ELA OLHA PRA SI MESMA E VÊ MUITO GORDA/ MUITO MAGRA, MUITO ALTA/ MUITO BAIXA, MUITO LISO/ MUITO ENCARACOLADO, MAS DECIDE QUE AGORA NÃO TEM TEMPO PRA CONSERTAR ENTÃO VAI SAIR ASSIM MESMO…
.
AOS 40 :
ELA SE OLHA…. VÊ MUITO GORDA, MUITO MAGRA, MUITO ALTA, MUITO BAIXA, MUITO LISO,  MUITO ENCARACOLADO, MAS DIZ: PELO MENOS EU SOU UMA BOA PESSOA… E SAI MESMO ASSIM…

AOS 50 ANOS:
ELA OLHA PRA SI MESMA E SE VÊ COMO É…SAI E VAI PRA ONDE ELA BEM ENTENDER…
.
AOS 60 ANOS:
ELA SE OLHA E LEMBRA DE TODAS AS PESSOAS QUE NÃO PODEM MAIS SE OLHAR NO ESPELHO…SAI DE CASA E CONQUISTA O MUNDO…

AOS 70 ANOS:
ELA OLHA PRA SI E VÊ SABEDORIA, RISOS, HABILIDADES, SAI PARA O MUNDO E APROVEITA A VIDA…

AOS 80 ANOS:
ELA NÃO SE INCOMODA MAIS EM SE OLHAR…
PÕE SIMPLESMENTE UM CHAPÉU VIOLETA E VAI SE DIVERTIR COM O MUNDO…
.
TALVEZ DEVÊSSEMOS POR AQUELE CHAPÉU VIOLETA MAIS CEDO…

Mário Quintana





Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...